ENTREVISTAS: Candice fala sobre a Tropic of C e seus ideais para o The Daily Front Row
02.11.2018

Em Novembro, a Tropic of C – marca de biquínis criada pela Candice – se prepara para receber a sua segunda coleção após o sucesso da coleção de estreia, a Resort 2019. E com isso, em uma tarde na Quarta-Feira (31) em Nova York, a modelo reuniu algumas peças para um dia de imprensa para divulgação da linha. Na primeira e nova entrevista com a revista The Daily Front Row, Candice fala sobre a nova coleção, os desafios de criar peças sustentáveis e seus ideias que cercam a marca. Confira traduzida abaixo:

Candice Swanepoel sabe uma ou vinte coisas sobre a industria de trajes de banho, então faz sentido que sua primeira inclusão no mundo dos negócios seja na forma de uma linha de trajes de banho. Mas a Tropic of C não é um projeto de vaidade de celebridades. O Dailyconversou com Candice para descobrir o que faz sua marca ser tão maravilhosamente diferente.

Você lançou a sua marca de trajes de banho, Tropic of C, no começo do ano e agora está se preparando para lançar sua segunda coleção. O que mudou nesse tempo?

Na primeira coleção eu fiquei com muitos maiôs porque eu queria diferenciar das outras marcas de trajes de banho e porque eu sou conhecida por biquínis, eu queria começar com algo um pouco mais fashion. E então para a coleção de Resort, obviamente nós recebemos muitos feedbacks diretos pelo Instagram — o que as pessoas estavam gostando — então mantivemos algumas das silhuetas que as pessoas estavam amando e apenas mudamos as cores. Então a Resort são aqueles nudes desérticos e cores da terra e então Primavera se torna um pouco mais colorida. Nós recentemente começamos a fazer malhas também, o que eu estou animada. Elas tem um bom alongamento, mas são um pouco diferentes nos trajes de banho.

Você também parece trabalhar muito duro para fazer sua marca o mais ecologicamente responsável e ética possível. Isso sempre esteve nos planos ou é algo que evoluiu com o tempo?

No geral, em tudo o que eu faço, eu gosto de fazer o meu melhor para ser o mais ética possível. Obviamente é difícil ser 100%, especialmente na industria de trajes de banho porque não é conhecida como uma industria ética. Eu comecei com as embalagens porque atualmente, com o Instagram e tudo mais, nós enviamos muitas roupas e embalagens e sacolas de plástico —  coisas embaladas duas vezes — é triste. Então eu comecei com a embalagem que é 100% eco [etiquetas de papel 100% recicladas, embalagens de papel pedra sem árvore e sacos de plástico biodegradáveis para vestuário]. Então alguém me disse sobre essa marca que cria tecidos ecologicamente amigáveis. Nós começamos a procurar quais eram bons e eles começaram a nos mandar um monte e qualidade era incrível.

Na primeira coleção, tudo que era preto e branco era feito desse tecido techno bi-elástico da Econyl, na qual eles fazem de redes de pesca velhas então você não esta produzindo mais [materiais sintéticos vindos do petróleo]. E nessa temporada, eles nos fizeram esse tecido de camurça que tem um toque diferente. É delicioso, na verdade.

Isso parece incrível. E eles não se parecem com trajes de banho, especialmente essas peças de malha.

As malhas não são feitas do mesmo tecido. É por isso que sou muito cuidadosa em não dizer que nossa marca é total eco. Nós estamos tentando o nosso melhor como uma companhia, mas traje de banho é difícil. Mas nós vamos chegar lá algum dia.

Porque trajes de banho são particularmente difíceis? 

Por conta dos tecidos. Por causa do nylon. Os tecidos que você precisa para nadar, para secar rápido e fazer funcionar como trajes de banho são todos sintéticos. Mas pelo menos estamos tentando ao máximo não produzir mais [sintéticos]. No momento, estamos usando por volta de 70% de materiais reciclados e continuamos procurando. Muitos dos tecidos funcionam melhor do que os novos tecidos que adquirimos, então não é como se estivéssemos desistindo.

Isso é interessante. Esses materiais reciclados são mais caros?

Não, não são mais caros. É sobre fazer mais pesquisa. Não estou dizendo que sou perfeita, mas eu definitivamente quero ser orgulhosa da minha marca e por crescer de um jeito que eu possa me sentir bem sobre.

De onde você acha que seu amor e preocupação pelo meio ambiente veio?

Crescer [na África do Sul] com um nível extremo de natureza, vendo aquelas criaturas incríveis e os cheiros e tudo, eu acho que definitivamente fez uma grande parte. Eu mal posso esperar para voltar para a África do Sul, na verdade. Eu estou indo em Dezembro. Vou levar os meninos. Eles vão ver os leões e tudo pela primeira vez!

Onde você vê sua marca daqui a dez anos?

É difícil dizer. Eu adoraria fazer dela uma marca de estilo de vida e continuar a incorporar novos elementos e aprender novas coisas. Eu já aprendi muito apenas estando no final do negócio.

Você quer se tornar uma magnata ou fazer uma transição para atuação ou algo assim? Quero dizer, obviamente, se você quisesse, você poderia continuar modelando pelos próximos 30 anos ou mais.

Eu não sei sobre isso.

Não?

Eu provavelmente tenho outros 10 anos em mim se eu tomar conta de mim mesma.

É um trabalho mais exigente do que muitas pessoas pensam.

Curiosamente, eu sou uma pessoa bem tímida. Obviamente, meu trabalho exige que eu faça muitas coisas externas, mas é definitivamente um tipo de persona que eu uso para me ajudar a sair da minha concha. Eu não sei se eu iria para TV ou algo do tipo. Eu apenas quero ter minha marca e uma saída criativa e fazer coisas legais que as pessoas gostem e se sintam bem.

 

Fonte | Tradução e Adaptação: Candice Swanepoel Brasil